domingo, 14 de setembro de 2014

Lophophoras. Raridades floridas!

Flores do dia! 
É com muita alegria que as admiro!
In love!


sábado, 30 de agosto de 2014

Algumas dicas de cultivo de Haworthia e Gasterias

                                                                                                                                                                               Grande parte dessas lindas espécimes, vamos encontrar na exótica e linda África do Sul. 
Dentre todas as suculentas, as haworthias e as gasterias são as minhas preferidas.
Fortes e delicadas ao mesmo tempo. Esse contraste me atrai. 
Dá para formar coleções bonitas devido à diversidade de forma, cor, tamanho e estrutura da superfície das folhas e crescimento das plantas. 


HaworthiaAlém disso, sua natureza é exigente e se adapta a locais totalmente inadequados para outras suculentas. 
 Elas crescem tão bem em um peitoril da janela ou no exterior, elas têm necessidade de muita luminosidade, sem sol direto. 
A quantidade das regas, vai variar do clima de sua cidade e do tipo de vaso que esta plantada (cerâmica ou plástico), aqui em Salinas/MG/Brasil como estamos em uma região semiárida (altas temperaturas maior parte do ano e baixo índice pluviométrico), águo um pouco mais e mais um pouco, porque as plantei em vasos de cerâmica (cerâmica - o vaso absorve a umidade do solo), as que estão plantadas em plástico, rego uma vez na semana no inverno e duas vezes no verão. As deixo também um pouco protegidas das chuvas, e as que estão no tempo, o solo dos vasos são super bem drenados e solto.  
O crescimento é relativamente tranquilo (crescem bem moderadamente) e se multiplicam com facilidade através de mudas, estacas foliares, estacas de raiz, sementes e brotações pelas folhas. 
Ah! Quem quiser multiplicar através das sementes, lembrem que o melhor período para semeadura é no verão. Aqui no Brasil (hemisfério meridional) - dezembro, janeiro e fevereiro. Tem um poste ensinando a cultivar as sementes. 
Não tenho tido problemas das haworthias e gasterias em relação a pragas, são bastante resistentes. 














Echeverias de hoje!

Bem conhecidas como Rosas de Pedra, as echeverias enchem os olhos de qualquer criatura na face da Terra. São de uma beleza hipnotizante.
Perdi muitas espécimes há algum tempo atras por motivos que já contei aqui. Hoje aos pouquinhos vou recuperando. Garimpando na net, comprando com amigos e conhecidos, feirinhas locais, trocando... 
Algumas de minhas fofuras!










sexta-feira, 29 de agosto de 2014

terça-feira, 19 de agosto de 2014

#Bahia - Casa de mamãe x adeniuns

Amo viajar! Ainda mais quando é para minha terra natal e para casa de minha amada mãe! 
Tudo bem que foi muito rápido, mas já dá para matar bem a saudade que doí.
E chegando fiquei encantada com as plantas. Minha mãe tem o dedo verde!  Tem um jardim imenso  e com uma variedade bem grande de espécimes. 
Literalmente de dar inveja!
Mas... os adeniuns (rosa do deserto) estavam gritando de tanta beleza! Especialmente os vermelhos e suas flores gigantes. Não resistir e fotografei para compartilhar. 
Aos poucos ela aumenta a coleção. A ultima compra, fez pela net e adquiriu um de flor tripla com quatro enxertos (triplos de cores diferentes), não vê a hora de florir.
Comprou do Luis Michelon, que é sem duvida o maior produtor de adeniuns do Brasil, com plantas lindíssimas! 
Pena que estava sem a máquina e o cartão de memoria de meu celular está cheio! Aff... precisando resolver isso com urgência! rs
Mas mesmo assim registrei algumas belezas, apertei e coube! hahaha...
P.S. Lembrar de sempre andar armada! rs ... Com a máquina! rs ... Odeio passar por esse tipo de situação. Mas dá próxima vez, irei fotografar todo o jardim, as belíssimas e exóticas plantas que mamãe cultiva, uma mistureba que deu certo, de plantas tropicais a cactáceas. 












domingo, 10 de agosto de 2014

Interessante!

Um aperitivo das muitas classificações que existe!




quinta-feira, 17 de julho de 2014

Bowiea volubilis - Cuidados e reprodução



Nome científico: Bowiea volubilis Harv. et Hook. f. 


Nome comum: Cebola trepadeira, cebola do mar, cebola escalada.
Família: Hyacinthaceae. Liliaceae
Sinônimo: volubilis Schizobasopsis 
Origem: África do Sul.
Formato: Em bulbos, praticamente totalmente fora do vaso.
Altura: Podem chegar a de 2 m. de comprimento.
Folhas: Aparecem logo no início da vegetação e, em seguida caem, crescem em hastes muito finas em espiral.

Recomendação a zona de temperatura: 


Tolerância ao frio: Mantenha acima de 10 ° C
Tolerância ao calor: Proteger do calor no verão, evite sol direto pelo dia todo.
Exposição ao sol: de preferência apenas pela manha;
Origem: África do Sul, Zimbabwe, Malawi, Zâmbia e Tanzânia
Crescimento / Hábitos: Perene bulbo, o bulbo pode chegar a 10 polegadas ou 25 cm, o caule pode chegar a 2,5 m;
Necessidades de Rega: Pare gradualmente a rega quando a haste secar após a floração, no verão. Comece molhando, quando a haste começa a crescer novamente.
Propagação: Sementes ou pela casca.


A lâmpada (bulbo) é verde pálido e cresce semi-enterrados no solo. A cada ano, desenvolve novas ramificações, que pouco faz com que pareça um espargos alongado. Não há folhas, exceto por uma pequena quantidade de escalas que caem rapidamente. Logo, um monte de flores esverdeadas são produzidos seguido por sementes. 
A maioria dos autores escrevem que a lâmpada é venenosa.

Práticas Culturais: 

O bulbo cresce um pouco mais lento se mantido fora do solo, mas tem chances muito menores para apodrecer. Em qualquer caso, precisa ser protegida do sol. Pode-se usar o mesmo substrato para cactos (soltinho e bem drenado) para o solo, ou uma mistura de areia áspera e terra normal. 
Deixe o solo tornou muito seco, antes de regar novamente.
As flores esverdeadas 0,4 polegadas (1 cm) na primavera, em uma haste muito longa.
A Cebolinha deve ser cultivada na sombra, mas com muita luz e pode pegar sol fraco. Ela deve ficar na superfície do solo e este ser bem permeável. Manter a terra úmida, mas sem encharcar. É normal que elas às vezes fiquem algum tempo sem folhas. Experimente adubá-la com “torta de mamona”, pois o nitrogênio contido no mesmo favorece o crescimento de folhas nos vegetais. Depois destes cuidados ela vai até dar suas pequenas flores.
Pode viver até 100 anos.


Algumas de minhas experiências. Propagação de mudas a partir da casca.